sábado, 31 de janeiro de 2009

Nossos governantes em audiência divina

Numa certa ocasião foram chamados a prestar contas a justiça divina,Lula,Eduardo Braga e Adail Pinheiro.
Primeiramente o presidente Lula se apresenta e pergunta a Jesus o que achou de seus dois mandatos: Jesus responde:

_Lula você criou programas sociais populistas que só mascaram a pobreza,foi incapaz de solucionar a questão da corrupção no país,os trabalhadores estão enfrentando uma crise tremenda com o desemprego e o aumento dos alimentos,o país irá ter muitos problemas futuros graças sua política assistencialista.

Lula saí meio contrariado pela franqueza de Jesus,escondeu-se num cantinho atrás da porta e chorou...chorou...e chorou...

O próximo foi Eduardo Braga,Jesus também foi categórico:

-Olha Eduardo você teve dois mandatos,só governou para Manaus,no interior realizou obras fantasmas,não valorizou as populações tradicionais,não coibiu o desmatamento,não solucionou a crise energética em todo o Estado,a Educação de seu Estado é a ultima do país,nunca vi tamanha incompetência!

Eduardo Braga saí triste e cabisbaixo,chegou num cantinho atrás da porta e chorou..chorou e chorou...

Por último entra Adail todo facero e pergunta à Cristo o que achou de seus oito anos em Coari.

Jesus olhou para ele abaixou a cabeça e chorou...chorou e chorou....

Coisas que esquecemos pelo caminho



Ao longo dos últimos oito anos da história de nosso município,passamos a viver uma nova experiência política.Nunca antes um mesmo grupo tinha passado tanto tempo no poder.
Durante todo esse período, é possível perceber o quanto Coari mudou.
É claro, que as circunstâncias em que o mundo se encontra atualmente devem ser levadas em consideração em qualquer análise de conjuntura. Mas precisamos aqui ressaltar, a força do dinheiro, mas precisamente a maldição dos royalties.
A partir do momento em que a riqueza do gás e do petróleo passou a subsidiar as contas da prefeitura de Coari é que observamos uma enorme mudança, não falo aqui de algumas escolas ou prédios e espaços que tem servido para realizar um culto à personificação de tiranos.
Falo da mudança de caráter, da opção pela omissão e pelo silêncio diante de tantas agruras,o dinheiro nos separou de nossos valores. Vemos em nossa cidade, um tempo onde práticas que pensávamos estar cada vez mais em desuso ressurgirem relevantemente e passam a enraizar-se em nosso imaginário coletivo.
É desta forma que vemos, por exemplo, uma prática comum na idade média, onde o senhor feudal exigia o direito aos servos de desvirginar suas filhas antes do casamento. Vale lembrar que estes servos viam como natural esta prática,assim como os cidadãos de agora!
O que mais repugna é a banalidade desta situação em pleno século XXI,o silêncio de toda uma sociedade permite se roubar a infância,a adolescência ,os sonhos de muitas meninas.Alguns se escondem atrás do medo,outros justificam muitas vezes afirmando que a culpa é das meninas,outros não se manifestam porque dizem que precisam trabalhar e se contentam em participar das migalhas do banquete do tirano.
A participação na tirania é um dos pontos mais interessantes a serem analisados por futuros historiadores, sociólogos, psicólogos entre outros estudiosos do pensamento humano. Para explicar didaticamente a realidade, eis o exemplo: em nossa cidade geralmente manda um homem, este comanda mais uns dez, que comandam 100 que comandam mil cada um. Desta forma cria-se uma rede de poder, onde a única forma de subir é se mostrando mais eficaz ao tirano, mesmo que para isso seja preciso delatar o amigo de infância, ou até mesmo deixar de conviver com parte da família que não concorda com o tirano. É preceito básico amar o tirano incondicionalmente, mesmo que este cometa crimes contra a humanidade e contra incapaz.
Nesta relação não existe amizade, pois todos se temem mutuamente, a traição pode vir a qualquer momento e de qualquer lado.
E desta forma ficaram pelo caminho a dignidade, a amizade, o respeito e a ética. Mas o tirano não fica feliz só com isso,ele busca construir toda a história a partir de si, e assim o legado de nossos antepassados está sendo apagado, é assim que carnaval de rua dá lugar ao Bahia folia,30º festival folclórico dá lugar ao 3º Festival cultural, é assim que não se produz um livro na series iniciais sobre a história de nosso município.
Percebemos ressurgir também em nossa cidade, um antigo atavismo cultural, a ostentação de riqueza por parte da elite local. Assim como os donos de seringais davam-se extravagâncias, assim os “donos da prefeitura”, também as praticam,e assim vimos uma pequena parcela da corte ir ao sambódromo no Rio de janeiro,assistir a um desfile e ouvir um samba enredo que fala minimamente o nome Coari.Lá se foram embora milhões de reais que poderiam ter sido aproveitados pela cultura local.
Mas quem disse que queremos a cultura local? Queremos parecer mais brancos, mais civilizados, nossas raízes indígenas não nos interessam, e dela temos vergonha. Somos uma cidade que não se ama, e que não gosta de olhar no espelho.
E assim escondemos pelo caminho, nossas origens e o que realmente somos. Odiamos ser chamados de índios, pois significa estar do lado dos que perderam no processo de conquista.
Gostamos do que é fácil, e deixamos de lado muito vezes o que é correto, a importância dos estudos e do mérito no serviço público, deu lugar ao puxa-saquismo, ao clientelismo,ao mandonismo,ao coronelismo.E assim esquecemos a noção de público e privado e os órgãos públicos tornaram-se particulares.
O que mais me dói serão as conseqüências disso tudo as futuras gerações.Uma criança que tinha 4 anos de idade em 2000,terá em 16 em 2012,na próxima eleição,estes jovens só terão visto um grupo governar,só terão observado uma prática política,e acharam que tudo isso é natural,a compra de votos,a distribuição de telhas,cimento,tijolos.Enfim,formaram sua personalidade achando que o poder político é um direito que quem detém o poder econômico.
E assim ficarão pelo caminho, a cidadania, a democracia e a ética na política,a justiça.Será assim nosso caminho? Será possível trilhá-lo novamente e redescobrirmos o que esquecemos?Será possível lembrar aonde esquecemos nossos valores?
De quê estamos falando mesmo?

Adail serve como um conselheiro




Apesar das inúmeras denúncias contra o ex-prefeito Adail Pinheiro, Rodrigo Alves afirmou que não se distanciou dele. Ele contou que sempre conversa com Adail e que segue seus conselhos em relação à prefeitura.

"Tenho um bom relacionamento com ele (Adail Pinheiro). Tive o apoio dele para consolidar minha vitória. Não sou ingrato. Não posso julgar qualquer situação. Tudo o que ocorreu me atingiu diretamente. Mas cabe a ele responder a parte dele, as acusações que o envolvem. Eu vi a luta dele para querer sempre ver o melhor para Coari. A cidade cresceu muito no governo dele. E isso não foi esquecido. Se tivemos falhas, vamos corrigir. Sempre converso com ele. Porque não posso de maneira alguma entender que estou assumindo o governo e a partir de agora conheço e sei todos os caminhos", comentou.

Crise mundial
De acordo com o prefeito, a economia de Coari foi diretamente afetada com as consequências da crise econômica mundial. Alves disse que com a diminuição do preço do barril do petróleo, o município perde aproximadamente R$ 1,5 milhão todos os meses. Em virtude disso e da perda de uma parte do repasse do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para Manaus, ele disse que teve que fazer demissões e atrasou o pagamento de dezembro dos servidores da prefeitura. Segundo o prefeito, Coari perdeu em dois meses aproximadamente R$ 12 milhões.

Rodrigo Alves afirmou que para contornar a crise vai conversar com o governador Eduardo Braga (PMDB) para solicitar apoio financeiro para desenvolver o setor primário de Coari. O prefeito contou que também vai buscar apoio do presidente Lula no encontro dos prefeitos que ocorrerá nos dias 10 e 11 de fevereiro, em Brasília. "Em Brasília, também vou conversar com os dirigentes do Bird para consolidar convênios para o município. Coari cresceu muito e tem uma estrutura que requer mais investimentos. Precisamos nos adequar a isso. Por isso, estou tomando medidas emergências. Queimando gordura. Estou me preparando".


Fonte:Jornal A Crítica,publicado em 31/01/2009.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

não foi cassado,mas está sendo caçado!

Do Sim e Não da Crítica.
Pedofilia
O ex-prefeito de Coari Adail Pinheiro se livrou da PF, da CPI da Assembleia Legislativa, mas cairá nas mãos dos parlamentares que compõem a CPI da Pedofilia no Senado. Fonte do Congresso informou ontem que a convocação dele é dada como certa entre os senadores.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

a Mara..


Dona Amara tem 107 anos e dança mazuca há 100.
Irreverente e namoradeira assumida, ela quer ficar noiva em 2009.
Amara Conceição vai se apresentar em 2 de fevereiro em Agrestina (PE).
Odeio a gíria,mas aqui temos que reconhecer...

enquanto isso na prefeitura....

do Diario do Amazonas

Adail Pinheiro será julgado pelo TJAM
O ex-prefeito de Coari (a 363 quilômetros a oeste de Manaus) Adail Pinheiro, três ex-assessores dele e um empresário serão julgados pelo crime de prostituição infanto-juvenil no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), informou ontem a Procuradoria Regional da República da 1ª Região (PRR-1).
Além de Adail,aPRR-1denunciou o atual prefeito Rodrigo Alves (ex-vice-prefeito da cidade),o empresário da agência de modelos Mega Models, Fábio Martins, oex-segurança pessoal do ex-prefeito, sargento Antônio Carlos Aguiar, os ex-assessores de Adail, Adriano Salan e Haroldo Portela.
Todos responderão também a processos por desvio de dinheiro público no município. Segundo a PRR-1, o processo envolvendo práticas de pedófilia contra Adail será remetido ainda esta semana ao TJAM, porque ele perdeu o foro privilegiado ao terminar o mandato de prefeito, no ano passado.
Outro motivo de enviar o processo ao TJAM é porque o crime cometido é de competência da Justiça Estadual. Já Rodrigo Alves permanecerá respondendo pelo mesmo crime no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), em Brasília, pois agora tem foro privilegiado ao ser eleito prefeito de Coari.
A Procuradoria Regional da República da 1ª Região elaborou a denúncia de prostituição infanto-juvenil com base no inquérito da operação Vorax da Polícia Federal (PF), deflagrada dia 20 de maio de 2008. Nas operação, a PF desarticulou uma quadrilha formada por mais de 40 pessoas, entre empresários, secretários municipais e assessores do ex-prefeito, que desviava recursos federais e praticava prostituição infanto-juvenil em Coari. De acordo com a Polícia Federal, o grupo era liderado por Adail Pinheiro.
Ainda segundo a PRR-1, não foi necessário ouvir as adolescentes que foram vítimas da quadrilha do ex-prefeito, porque o próprio inquérito da PF ouviu duas menores de 18 anos vítimas da quadrilha. De acordo com a procuradoria, a Polícia Federal chegou às adolescentes por meio de escutas telefônicas autorizadas pela Justiça durante a operação que revelaram os nomes e endereços das meninas.
A PF, informou a procuradoria, coletou o depoimento das adolescentes que confirmaram a participação do grupo no crime de prostituição infanto-juvenil. Em agosto do ano passado, o delegado que coordenou a operação Vorax, Jocenildo Cavalcante, disse que as adolescentes eram contratadas pelo empresário Fábio Martins, da Mega Models, com a promessa que iriam trabalhar nos eventos da cidade. "Elas (adolescentes) eram contratadas para participar dos eventos em Coari, mas depois dos eventos eram levadas para satisfazer a lascívia dos envolvidos", afirmou o delegado da PF Jocenildo Cavalcante, na época.
Tanto Adail como os outros envolvidos na quadrilha ainda serão julgados pelo TRF-1 no crime de desvio de recurso federal. Segundo a PRR-1, a denúncia contra eles foi encaminhada em dezembro do ano passado. O TRF-1 informou que a ação ainda está sendo analisada. O tribunal irá decidir se acata ou não a denúncia da PRR-1.

Operação Vorax

No inquérito concluído pela Polícia Federal do Amazonas e enviado ao Ministério Público Federal (MPF), Adail Pinheiro foi indiciado por mais de cinco crimes, entre eles: favorecimento à prostituição, corrupção ativa, peculato (desvio público), formação de quadrilha, sonegação fiscal e fraude em documento público. Ele negou os crimes. Foram denunciadas à Justiça 29 pessoas investigadas na operação Vorax. Na denúncia, o MPF solicitou a quebra dos sigilos fiscal e bancário das empresas suspeitas de participar das licitações montadas.

Procurado

A União publicou ontem um edital à procura do ex-prefeito de Rio Preto da Eva Anderson de Souza. Cobra a prestação de contas de convênio firmado por ele com o Ministério do Meio Ambiente. O edital diz que Anderson encontra-se em lugar incerto e não sabido.
Obs: Para quem ainda não sabe,este foi o homem escolhido pelo prefeito de Coari,para assumir nossa representação em Manaus.Vale lembrar,que assim com o ex-prefeito Adail Pinheiro,Anderson Souza também teve um mandato de Prefeito cassado por compra de votos.
Fonte: Jornal A Crítica, em 28/01/2009.
Coincidência? Ou realmente afinidades politicas? anderson souza ,apareceu por Coari durante a campanha de Rodrigo Alves ano passado,e além de ter assumido a representação de Coari em Manaus,dizem que conseguiu colocar três secretários adjuntos de sua confiança na atual gestão.

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Prefeitura de Coari tem R$ 2 milhões em caixa

inexplicável.
O prefeito de Coari não paga os salários dos funcionários públicos, pelo menos os dos professores, porque não quer, uma vez que o município tem em caixa R$ 1.947.162,17, conforme verificado no site do Banco do Brasil. Em 30 de dezembro de 2008, a prefeitura do município recebeu um crédito de R$ 5.667.662,14, através de repasse de verbas federais para pagamento de professores do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).


Nesta mesma data, a prefeitura quitou um débito de R$ 4.020,849,50, ficando com o robusto troco de R$ 1.646.812,14, que foi acrescido por novo repasse, em 13 de janeiro desse ano, no valor de R$ 300.349,53, desta vez sem nenhum débito. Assim, nos cofres da prefeitura de Coari repousam R$ 1.947.162,17, que poderiam ser destinados ao pagamento dos professores do município, aliviando desta forma pelo menos uma parte das agruras do funcionalismo.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

transparência já!

"O mundo mudou, precisamos mudar com ele (...)".
"A transparência e o estado de direito serão a base de minha presidência". As duas frases ditas pelo novo presidente dos Estados Unidos da América (EUA), Barack Obama, são exemplos a serem seguidos pelos administradores públicos do Amazonas, onde há pouco ou quase nenhum acesso às contas públicas.
A maioria da população desconhece quanto o Estado ou os municípios arrecadaram de impostos e não sabem o que foi feito com o dinheiro do contribuinte. A falta de transparência com o que é feito com a verba pública só facilita a corrupção.
No site do Governo do Amazonas, por exemplo, não há informações sobre as contas do Estado e os pagamentos aos fornecedores, uma vez que o site da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) não traz nenhuma dessas informações. Os dados dos balancetes disponíveis no site da Sefaz são indecifráveis para o cidadão comum. Outro exemplo é o livro de registro de crimes da Polícia Civil, ao qual a imprensa deveria ter acesso, mas não tem. A assessoria e funcionários só repassam as informações que querem. O mesmo acontece nos sites das secretarias, onde não há dados sobre os gastos. Na Secretaria de Assistência Social (Seas) não há divulgação de quanto o Estado repassa para as entidades assistencialistas, Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip), organizações não-governamentais e outros. Um outro exemplo mais claro é o site do Diário Oficial do Estado (DOE). Nele, a única forma de fazer uma busca é pela data de publicação. A pesquisa por assunto é impossível, porque todo o material está postado como imagem do DOE de papel.
Diante da impossibilidade de busca por palavra, o cidadão fica de mãos atadas. Só são publicados os extratos de pagamentos dos contratos. Na publicação de adiVicente Filizzola afirma que medidas de Obama para estimular a transparência no governo são exemploioam, o DOE traz apenas o número do contrato, o que torna impossível saber, via internet, para onde está indo o dinheiro. A divulgação do DOE na internet ainda é feita com um dia de atraso. Segundo o governador do Estado, Eduardo Braga (PMDB), todas as informações dos gastos e arrecadação do Estado estão disponíveis no portal ofical do Governo do Estado (www.amazonas.am.gov.br) e na página da Sefaz (www.sefaz.am.gov.br). "Toda linguaguem de fiscalização está transformada na internet. O Estado, que tem 85 mil trabalhadores, um PIB (Produto Interno Bruto) de R$ 50 bilhões, tem complexos de unidades gestoras. Não tem como sintetizar mais do que nós já sintetizamos as informações, lamentavelmente", afirmou.
Indagado sobre a falta de clareza nas informações, Braga respondeu: "Lamentavelmente não temos como sintetizar. Mas, para isso nós temos o MPE (Ministério Público do Estado), o TCE (Tribunal de Contas do Estado) para fazer as fiscalizações", afirmou. A Prefeitura de Manaus disponibiliza na internet, desde a gestão do ex-prefeito Serafim Corrêa (PSB), os pagamentos do município, com valores e beneficiados. No entanto, faltam dados sobre os valores das dívidas. O site contém links sobre os `pagamentos efetuados divididos por mês e ano' e `pagamentos efetuados', onde há informação sobre a empresa, o serviço realizado e o valor pago, mas ao acessar o `link', o cidadão comum encontra várias dificuldades para decifrar os gastos.
A busca por palavra também não funciona no site, porque todos os documentos estão no formato PDF. O Diário Oficial do Município (DOM) permite a consulta por data e por assunto. Com isso, é possível localizar um contrato entre a prefeitura e qualquer empresa realizado nos últimos quatro anos. Os balancetes disponíveis na internet da Câmara Municipal de Manaus (CMM) e da Assembléia Legislativa do Estado (ALE) não são suficientes para permitir o controle social dos gastos públicos. O conteúdo desses balancentes é complexo.
Não basta divulgar os números, é necessário trazer informações que complementem e facilitem o entendimento, só assim pode-se falar em transparência. Para o presidente da Força Sindical do Estado do Amazonas, Vicente de Lima Filizzola, a tomada de medidas feita por Obama para estimular a transparência no governo serve de alerta para que a sociedade do Amazonas seja mais ativa. "É necessário que a sociedade participe, cobre dos governantes divulgação mais acessível das contas públicas. Só através da divulgação dos gastos será possível combater a corrupção", afirmou.
Para ele, as declarações de Obama servem de exemplo para os demais administradores públicos. "Tudo o que Obama fala tem uma grande repercussão. Ele é um exemplo que vem de cima e o que ele disse precisa ser seguido.
Exemplo disso é o congelamento nos salários dos funcionários da Casa Branca. Aqui, os vereadores querem aumento de salários enquanto que a sociedade briga para manter seus empregos", afirmou. O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no Amazonas (OAB/AM), Aristófanes de Castro Filho disse que os governantes têm obrigação legal, moral e ética de divulgar o que é feito com o dinheiro público. Segundo ele, se isso não é feito, a sociedade pode se manifestar através de ações e outros mecanismos para exigir que a norma seja cumprida. A Constituição Federal define como dever do Estado garantir o direito a toda pessoa de ter acesso à informações detidas pelo Estado.
DIFICULDADE DE ACESSO Em 2008, o MPE precisou entrar na Justiça para tentar ter acesso ao pagamento de passagens com dinheiro público para parentes do presidente da ALE, Belarmino Lins (PMDB).

fonte:Jornal Diário do Amazonas em 25/01/2009.

A decepção, a realidade e o vilão

Durante todo o mês de Dezembro e grande parte deste mês de Janeiro, este blog noticiou sobre o atraso dos vencimentos dos funcionários da prefeitura.
Deste de sábado da semana passada, os agora ex-funcionários contratados passaram a receber, nesta segunda-feira o prefeito Rodrigo Alves, finalmente se pronunciou sobre esta situação, na já conhecida Nova Coari FM. Para grande decepção de todo o funcionalismo, fossem eles contratados ou efetivos.
Em relação aos contratados, a má notícia foi o fim de todos os contratos, mais isto era algo que inevitavelmente aconteceria, haja vista a lei de responsabilidade fiscal obrigar o término dos contratos. Já os efetivos terão que explicar aos seus credores de que maneira irão sanar seus compromissos, pois seus salários do mês de Dezembro fora parcelado em quatro vezes.
O atual prefeito apresentou inúmeras explicações, que vão deste a disputa judicial pelos ICMS com Manaus, a crise mundial, a flutuação cambial até o preço do barril do petróleo, percebeu-se em sua entrevista além do fato de o mesmo usar a palavra “fato” em torno de 87 vezes, está mal informado sobre preços de petróleo e a flutuação do dólar, mas para quem não acompanha a economia talvez tenha engolido.Falou em tempos de crise, em dias ruins, em que todos deveriam fazer sacrifícios.
Ora senhor prefeito deveria ter aproveitado tal entrevista e informado à população que em tempos de crise seu secretariado teve o terceiro aumento em um ano (agora o salário de um secretario é de R$ 10.000,00),assim como aumentou também o número de secretarias (de17 para 19) onerando o já tão sacrificado orçamento da prefeitura,segundo Vossa Excelência.
Em tempos de crise, a prefeitura de Coari embarca na contramão da história, pois aumenta gastos de maneira aleatória e incoerente em relação ao momento em que vivemos. Deveria lembrar também, enquanto Vossa Excelência dava estas más noticias aos pais de famílias coarienses, que o seu salário também aumentou.
Um outro fato interessante é quanto aos salários dos professores que provêm de uma verba federal especifica, o FUNDEB,SENDO QUE ESTA NÃO ESTÁ RELACIONADO A DISPUTA PELO ICMS OU FLUTUAÇÃO CAMBIAL,todo mês está lá nas contas da prefeitura,mas ainda sim estes profissionais não foram pagos devidamente,seria está uma punição a está classe já que em sua grande maioria apoiou o candidato de oposição??Espero que não.
Prefeito, o que Vossa excelência deveria fazer era a ter a coragem de denunciar o ex-prefeito Adail Pinheiro, por improbidade administrativa no mínimo, para que este respondesse em juízo o que fez realmente com R$ 153.000.0000,000,pois não vimos pontes,casas,vicinais,geração de energia,geração de emprego e renda,o que foi neste interessante foi ver a Growth,empresa diretamente ligada aos escândalos da Vorax ainda realizando obras durante o fim de ano.
É fundamental que a sociedade coariense esteja disposta a mudar a sua postura em relação aos poderes constituídos,o legislativo,o executivo e o judiciário.logo as contas de 2008 estarão disponíveis ao público,é preciso verificar este milagre numérico que ocorre em nossa cidade.
Prefeito, nossa cidade precisa urgentemente de uma maneira diferente de administração, a prática política de seu grupo vai de encontro ao real desenvolvimento da população de maneira geral. O que ocorreu neste início de sua administração só contribuiu para aumentar a concentração de riqueza na mão de pouquíssimos que o acompanham.
É lamentável, eu, enquanto professor, não poder disser para meus alunos que estes não podem ser o que quiserem nesta cidade.Não cometa os erros crônicos de seu antecessor que sempre encontrava um vilão para justificar sua incompetência administrativa,
Mas parece que isso começa já a ocorrer... E agora Rodrigo???Rodrigo para onde???
O destino desta cidade está em suas mãos!Vai encarar está situação de frente ou escolher um vilão da vez??Com a palavra o prefeito eleito de Coari.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Uma boa notícia em tempos de vacas magras

A partir de amanhã a Seduc irá pagar os professores com os seus salários acrescidos do Terço de férias.Um exemplo que deveria ser seguido pela prefeitura de Coari, que continua devendo salários de Dezembro,o terço de férias do ano passado mais o PIS-PASEP.
GREVE JÁ!!!!!

domingo, 18 de janeiro de 2009

Do Diário do Amazonas.

Despreocupados.
Aparição Adail Pinheiro e Rodrigo Alves (ex e atual prefeitos de Coari) foram vistos ontem próximos à saída de Manaus, na avenida Torquato Tapajós. Foram ao Café Joelza confraternizar com outros cinco amigos. A alegria era tanta que nem pareciam ser os mesmos investigados pela Polícia Federal por desvios de R$ 35 milhões e formação de milícias.
Enquanto isso na terra do gás natural...
os Salários do funcionalismos???

sábado, 17 de janeiro de 2009

Ex-laranja abre o jogo

Jacson Bezerra Lopes queixa-se que foi abandonado pelo ex-prefeito Adail Pinheiro.


Aristide Furtado *
Especial para Manaus

Dizendo ser ex-laranja do irmão de Adail Pinheiro, Carlos Eduardo Pinheiro, em duas empresas envolvidas no esquema de fraudes de licitações na Prefeitura de Coari, Jacson Bezerra Lopes queixa-se que foi abandonado pelo ex-prefeito depois de ter sido processado por crimes apurados pela "Operação Vorax", da Polícia Federal.

Jacson afirma ter sido testa-de-ferro de Carlos Eduardo na JBL e Comam, empresas que, de fevereiro de 2002 a fevereiro de 2004, movimentaram mais de R$ 25 milhões em contratos na gestão de Adail Pinheiro, Jacson Lopes conta, em entrevista a A CRÍTICA, que abriu as firmas, a pedido de Eduardo Pinheiro, iludido com a promessa de ser recompensado.

Hoje, depois de ter ficado dez dias preso na Cadeia Raimundo Vidal Pessoal, sem dinheiro, desempregado, respondendo a processo na Justiça Federal, e com uma dívida de mais de R$ 80 mil, o ex-dono de posto de lavagem de carro, cobra a ajuda prometida por Adail, e diz que é injusto o ex-prefeito não ter sido preso nem processado enquanto 29 pessoas foram denunciados à Justiça.

Como começou a sua história com Carlos Eduardo?

Eu tinha um posto de lavagem na Estrada dos Franceses. Conheci o Eduardo Pinheiro no posto. Ele me chamou para abrir uma firma quando o irmão dele foi eleito em 2000. Disse que ia me ajudar. Só que não me ajudaram. Me enganaram. E usaram o meu nome na JBL. E na Comam e na Renascer, que apareceu agora.

Você foi alguma vez a Coari?

Nunca fui a Coari. Não tinha conhecimento de que as empresas contrataram obras em Coari. Assinava alguns documentos sem saber o que era. Ele levou para mim. Assinei uma procuração e poucos cheques. Os outros foram assinados no meu lugar. Isso aconteceu durante uns três anos. Eu tinha conhecimento que tinham aberto a firma JBL e depois foi transferido para as outras duas firmas (Comam e Renascer).

Ele (Carlos Eduardo) te pagou algum dinheiro?

Deram uma mixaria. Coisa de bar. Disseram que iam me dar mas nunca me deram.

O que ele chegou a te dar?

Mixaria. R$ 2 mil. O Eduardo que me dava. Nada para melhorar minha vida. Não sabia dessa Renascer (firma envolvida no esquema de Coari). Vi quando fui depor que foi o sobrinho do Eduardo, o Keito, que a abriu.

Quando começou a investigação na PF como é que foi o contato com o advogado que te acompanhou?

O Eduardo me procurou. Ele namorava com a minha irmã. Disse que era para eu ficar tranquilo que tudo ia ficar bem. Que ele ia dar o advogado.

O advogado que te acompanhava à Polícia Federal era pago por ele?

Era.

Como você sabe que era o Eduardo que bancava o advogado?

Ele nunca me cobrou nada. Foi o Eduardo que me apresentou. Falou que era para ficar tranquilo que não ia dar em nada. Disse que ia me ajudar. Fui para quatro depoimentos na Federal. Disseram que iam me ajudar. Mas nunca ajudaram em nada.

Mas ajudar em que?

Me ajudar. Me dar dinheiro. Nunca me deram nada para eu resolver minha vida. E levaram as nossas coisas que a gente ganhou honestamente.

Dormia quando a Polícia Federal chegou.

Você trabalhava com o que?

Eu trabalhava com lavagem de carro. Só que era no meu nome mesmo. Uma firma individual. O posto não existe mais. Na época eu sofri um acidente, em 2005, e fechei. Eu tinha um mercadinho. Agora pago advogado e perdi meu mercadinho. E você está vivendo de que forma?
Estou desempregado. A minha esposa que está me sustentando. Ela é enfermeira.

Qual é a sua maior mágoa de toda essa situação?

É que usaram o meu nome e levaram as coisas da minha irmã que não tinha nada a ver. O carro da minha esposa que não tinha nada a ver. E eu procurei eles para dar assistência. Nós pagamos os carros ainda. São financiados pelo banco. Quero apoio para ao menos ajudar a pagar a parcela do carro, que a gente está pagando advogado. Disseram que não tinham conhecimento do que estava acontecendo.

Quem você procurou?

Eu procurei o Adail porque o Eduardo sumiu. Não consigo mais achá-lo. Eu fui na representação de Coari. Falei com o senhor Anderson. Ele disse que ia falar com o Adail. E ele mandou me dizer que não tinha conhecimento do que estava acontecendo.

Como não tinha conhecimento?

Eu fui preso. As firmas eram tudo o irmão dele que tomava de conta. Quais os bens que a PF apreendeu na sua casa?Levaram dois carros da minha esposa, um Citroën e uma S 10, um Corsa da minha irmã e um computador. Todos os carros estão sendo financiados pelo banco. A gente queria ao menos que ele (o prefeito Adail) pagasse isso aí. A gente está desempregado. Mas a gente procurou e ele disse que não tem conhecimento de nada. E agora tem mais os impostos que estão vindo da Receita Federal.

Você foi preso na Operação Vorax?

Fui preso no dia 20 de maio. Passei dez dias preso (na Cadeia Raimundo Vidal Pessoa). Estava em casa dormindo quando a Polícia Federal chegou.

Na cadeia, você teve contato com alguém ligado ao Adail?

Tive contato com o Eduardo (Carlos Eduardo). Ele disse para eu não me preocupar que ele iria me ajudar quando saísse. E ele sumiu. Me abandonou. Vocês ficaram juntos na Cadeia Pública?
Ficamos na mesma cela. Nela estavam todos os homens que foram preso na operação (Operação Vorax). Estava o Eduardo, o Ricardo (Ricardo Façanha de Carvalho), o Michel (Jorge Michel Pereira), o Adriano Salan, o Haroldo (Haroldo Portela)
.
Mais alguém se queixou do uso do nome em firmas de fachada?

Tinha o Ricardo Façanha. Era da Amcom. Disse que sua situação era a mesma da minha, que tinha sido usado. Qual o último contato que você teve com o Carlos Eduardo?
Foi lá na prisão.

Ele falou se o Adail tinha conhecimento do esquema?

Falou. Lá dentro ele falava que tinha conhecimento sim. Que era irmão dele.

Vocês foram presos e processados. Mas o ex-prefeito Adail conseguiu se livrar do processo. O que você acha disso?

Eu acho injusto. Ele pelo menos deveria ter ajudado a gente. As pessoas que usaram o nosso nome. Deixou a gente numa situação difícil. O pouquinho que a gente tinha a gente perdeu.

Por que só agora você procurou a imprensa?

Porque eu tinha medo. Eu tenho minha família. Corro risco. É uma acusação séria. Tinha medo de falar muitas coisas. A verdade. Estou sendo discriminado porque fui preso. Não tenho com o que trabalhar. Estou desempregado. Não tenho mais amigos.

Que dívida é essa que você diz que tem na Fermazon?

A Fermazon mandou notificação na minha casa, que eu estava com uma dívida de R$ 70 mil. Há dois meses. Não sabia porque. Nunca comprei lá fiado. Fui lá. O senhor Cavalcante, o vendedor de lá, me falou que o Eduardo tinha comprado com o Rodrigo (Rodrigo Alves, atual prefeito de Coari). Tinham comprado no meu nome. Citou o nome dos dois.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Em nove meses, TCE vê desvio de R$ 6,4 milhões

Do jornal A Crítica.

André AlvesDa equipe de A CRÍTICA
O Tribunal de Contas do Estado (TCE) está pedindo a devolução ao erário público de R$ 6.486.307,39 de verbas subtraídas dos cofres de Prefeituras, Câmaras de Vereadores ou órgãos governamentais que não tiveram comprovação de gastos ou cuja prestação de contas põe em dúvida o verdadeiro destino da despesa. Os valores correspondem às condenações aplicadas em nove meses de julgamento, no ano de 2008.
As contas julgadas pelo TCE de janeiro a setembro do ano passado (os dados até dezembro ainda não foram concluídos) revelam que a gerência da verba pertencente ao contribuinte é tratada, em muitos casos, como moeda particular. Vinte e três Câmaras Municipais tiveram as contas consideradas irregular.
Apesar de julgadas no ano passado, os processos referem-se a exercícios de 2001 a 2005. Das 43 contas de Câmaras Municipais julgadas, em 18 casos ex-presidentes foram condenados a devolver R$ 888.891,66. Entre eles, João Medeiros Campelo, que presidiu a Câmara de Itamarati em 2003 e precisará devolver R$ 69.758,70. Raimundo Borges Rocha, presidente da Câmara de São Sebastião do Uatumã em 2004, foi condenado a restituir ao erário R$ 84.200,00.
O caso mais grave é o de Ivan Lucena Magalhães, que não conseguiu provar onde estão R$ 473.684,66 de verba pertencente à Camara Municipal de Japurá. Todas as 43 contas de Câmara de Vereadores julgadas no ano passado, de janeiro a setembro, foram consideradas regulares com ressalvas ou irregulares. As multas aos gestores das Casas somam R$ 195.427,99.
O caso das Prefeituras Municipais é ainda mais gritante. Em 29 processos julgados em nove meses, prefeitos e ex-prefeitos foram condenados e devolver aos cofres públicos R$ 5,2 milhões. Só o ex-prefeito de Coari Adail Pinheiro terá que restituir àquele município R$ 3,2 milhões que não comprovou como utilizou. A condenação é referente ao exercício de 2006. O ex-prefeito de Urucurituba Félix Vital que tentou a reeleição, mas perdeu, também foi condenado a devolver grande soma: R$ 947.980,02.


Enquanto isso na Terra do Gás natural....

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

martelando na mesma tecla.

Sei que este assunto anda meio batido esse meio tempo,mas é sempre válido perguntar.Qual dia sairá o pagamento do mês de dezembro de 2008??
Estamos na segunda quinzena de janeiro de 2009 e nada!!! Acho interessante que ainda é possível encontrar frases conformistas em muitas bocas como : _ É!! pelo menos não gastamos e recebemos tudo em Janeiro!!!
será mesmo!!?? Qual o real preço de uma eleição??
Na prestação de contas de Rodrigo alves é de R$ 1.758.000,00 segunto o TSE. Mas para a população coariense??
Vimos no início da primeira semana de Janeiro assumirem as pastas os novos velhos secretarios e agora com um número maior de secretarias ,19 no total. Mas eles não ficaram felizes só com isto,enquanto os salários de Dezembro+PIS-PASEP+terço de férias de 2008 estão atrasados,enquanto a inflação defassa e destrói este salário que não tem nenhum reajuste há vários anos,os secretarios municipais conseguem o terceiro aumento em um ano!!!
Olha que boa notícia!! Agora o secretário em coari ganha R$ 10.000,00!!
enquanto o professor...bem deixa pra lá...pela primeira vez fiquei com vergonha de escrever neste blog.
Vamos fazer algumas contas:
1 secretário custa ao mês :R$ 10.000,oo desta forma 19 custam : R$ 190.000,00
1secretário custa ao ano : R$ 120.000,00 desta forma 19 custam :R$ 2.280.000,00
Essa soma é mais que os 10% que prefeitura deveria dar em contra-partida ao governo do estado para a construção do ponte do Pêra.
Nós estamos falando só de salários fora as outras vantagens.
Obrigado Prefeito você sabe dar o devido valor a quem merece!!! O povo coariense agradece!!!
Obrigado nobres vereadores!! Voces sabem muito bem como legislar!!!
O prefeito também teve aumento...mas isso é assunto para uma crônica...
Greve já!!

Relembrar é viver II.

PONTE DO PÊRA.


Essa obra vai calar a boca de muita gente!

Jornal A Critica de 09/01/2008.

A Prefeitura de Coari lançará neste sábado a pedra fundamental da construção da ponte - cujas obras iniciarão segunda-feira - que vai interligar o bairro do Pêra ao resto da cidade, acabando de vez com o isolamento e as dificuldades de acesso à área que hoje mantém mais de quatro mil moradores.Segundo o secretário municipal de obras do município, Paulo Bonilla Lemos, a obra é importante porque vai possibilitar, no futuro, a construção do porto fluvial de grande porte da cidade voltado para o Rio Solimões, garantindo a atracação de grandes embarcações e o desenvolvimento da cidade. "A construção da Ponte do Pêra é um primeiro passo para o desenvolvimento de uma área que futuramente vai abrigar o novo centro comercial e industrial da cidade com pólo gasquímico e petroquímico, contribuindo para a consolidação de Coari como um pólo de desenvolvimento no interior do Amazonas".A ponte, projetada para ter 240 metros e uma arquitetura moderna, assim como todas as obras em Coari, será feita em concreto que utiliza vigas de aço temperado e esticado, garantindo maior resistência. A previsão é de que ela fique pronta em, aproximadamente, nove meses, permitindo o tráfego de pedestres e veículos de pequeno, médio e grande porte. Além da remoção de casas para a construção, está previstos a utilização de equipamentos especiais para a instalação das vigas submersas e aterro para nivelamento do relevo das rampas de transição.A obra, orçada em 16 milhões de reais, será realizada em parceria com o Governo do Estado do Amazonas, ficando a Prefeitura de Coari responsável pela contrapartida de 10 % do valor total.Mesmo sem a interligação terrestre por estradas, hoje o bairro é 100% asfaltado, possui o abastecimento regular de energia elétrica e água encanada, infra-estrutura completa como praças, escolas, posto policial e médico, além de ter capacidade para receber novos moradores nos cerca de 10% dos terrenos ainda disponíveis, assim como empresas e substituição de construções antigas por novas.
Obs: calou mesmo!! Depois deste fiasco nunca mais Walcione Tavares publicou nada em seu blog.
É só conferir:

Relembrar é viver I.

Operação Matusalém.
A 'Operação Matusalém' foi resultado de três anos de investigações feitas a partir de denúncias do INSS de Brasília. A ação foi realizada por cem policiais federais, em parceria com a Polícia Rodoviária Federal. Em menos de seis meses de investigões, os federais descobriram um rombo de mais de R$ 3 milhões em verbas referentes a restituições do Fundo de Participação do Municiípio. As 13 pessoas envolvidas no esquema de fraude e desvio de verbas públicas do INSS irão responder por nove creimes, segundo a Polícia Federal: prevaricação, peculato, inserção de dados falsos em sistema de informações, corrupção passiva e ativa, advogacia administrativa, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha ou bando. Novidades: Dez dos 13 acusados de envolvimento em um esquema de fraude aos cofres do Instituto Nacional de Segurança Social do Amazonas (INSS), presos há 77 dias, foram colocados em liberdade no início da madrugada de ontem. Curiosidades ou coincidências bíblicas:
* 3: número da Santíssima Trindade (R$ 3 milhões foi o valor do roubo;
* 13: número da sorte (13 foram as pessoas envolvidas);
* 77: número da perfeição (77 dias, ficaram presos);
* Matusalém: homem que mais viveu.
O que Coari tem a ver com isso?
A 'Operação Matusalém' prendeu e soltou o sr. Emídio Rodrigues, que é candidato a vereador em Coari.
Fonte: Jornal acritica - 02 de julho de 2004

sábado, 10 de janeiro de 2009

a situação, a oposição e o povo.

após a primeira sessão da câmara de vereadores(diga-se de passagem, extraordinária!!),percebemos de que forma serão os trabalhos desta casa.A sessão ocorreu extraodináriamente para aumentar o número de secretarias na prefeitura de coari.
Houve um ensaio de debates entre a situação ( 8 vereadores) e a oposição (2 vereadores).
Mas e o povo?? Será se está sendo colocado como centro das discussões das leis que irão reger as politicas públicas??? É preciso retomar o real conceito de legislativo. Não se pode transformar mais a câmara na casa onde troca-se favores,onde o balcão de negócios está aberto.
Ser situação não significa ser subserviente. Ao assurmir-se como situação é notório que tal grupo será o suporte do grupo que governa para que este possa aprovar seus projetos,no entanto,estes projetos devem buscar a criação de direitos para a grande maioria, e não sacramentar privilégios de uma minoria.
e a oposição?? de quem se mostra oposição...mas falo aqui oposição de verdade,não somente diante da plenária,deve mas do que nunca, assumir a posição de fiscalizador do erário público,buscando trazer para a sociedade informações que nem sempre são divulgadas quando somente um grupo governa. Ser oposição não significa ser intransigente com o governo quando este se propor a apresentar um projeto que realmente contemple a maioria da população coariense.É preciso ser coerente. democracia é isto,ela se legitima no conflito.Não no conflito armado,mas num amplo debate de idéias e concepções que a casa que legisla tem que criar.
Não quero afirmar nesta crônica,que trata-se uma receita pronta e acabada sobre o posionamento de cada vereador.Mas peço que busquem o que é certo,não o que fácil,que entendam qual o verdadeiro significado de público e privado.
Mas é preciso ressaltar que o povo também é sujeito histórico. e que diante de um quadro calamitoso em nossa politica precisa urgentemente assumir uma nova postura.Uma postura de poder decidir,discutir,criticar,protestar,ou seja,ser cidadão!!!! Chega de sermos bestializados no processo de construção de nossa história.
Quanto ao que foi aprovado nesta sessão...isto é muito assunto para uma próxima crônica.
Boa noite e boa sorte.

do malfazejo.

O peixe, o aquário e a tirania.


por Eduardo de Andrade

Sempre me indaguei sobre a origem das paixões que alguns políticos despertam na população. Paixão, sim, porque mesmo com acusações graves, algumas comprovadas pela Polícia Federal, o povo parece não dar a menor importância. Apenas a imprensa e alguns “formadores de opinião” se mostram indignados. De onde vem a paixão inabalável por esses seres?

Uma das poucas lições que aprendi lendo Montaigne (1533-1592) — considerado uma anomalia necessária na Renascença tardia –, foi que é impossível separar totalmente o sujeito dos costumes (da moral) e do contexto social.

De acordo com o filósofo francês, ao pensar em si mesmo como algo, como uma dimensão determinada, a pessoa não encontra aquilo que é realmente, mas construções sociais: é o mundo dos costumes socialmente construído. Em outras palavras, os costumes determinam nossa consciência, mesmo que afirmemos que esta nasceu da natureza.

O costume nos “agarra” e nos “aperta” com tanta força que só com muito esforço podemos recuperar nossa autoconsciência para discutir e pensar sobre suas ordens. Normalmente, seguimos tais ordens sem questionar porque nascemos nessa condição. E isso acontece porque esses costumes são colocados como naturais desde que nascemos. Somos como peixes dentro do aquário, ignorando o fato de estamos vivendo num mundo líquido.

Montaigne exemplifica de maneira genial, afirmando que toda forma de poder é mais forte e absoluta, quanto mais se consegue naturalizar as normas e as visões do mundo, ocultando sua verdadeira gênese, sua intenção real.

Por isso a característica principal de um exercício de poder absoluto não está no uso da força, mas na naturalização dessas formas de poder. Alguns políticos parecem que aprenderam essa lição mais rápido que todos nós. Eles vão naturalizando formas de poder absoluto, sem que ninguém os questione.

Para o povo isso, sim, é forma de governar: batendo na mesa, humilhando secretários publicamente, gritando com assessores, colocando parentes e amigos em cargos públicos… e como são filho de Deus, bebendo uma cervejinha no bar, pagando uma rodada pro povo “tão sofrido de minha terra”. Tudo muito natural, tudo corriqueiro, tudo muito direito. Assim é que se governa!

Como superar essa forma de costume, tão corriqueira em nossas vidas que sequer nos abalamos à noticia de mais um escândalo? Como alcançar uma liberdade de juízo?

Para Montaigne a única saída que resta é a liberdade de pensar e questionar de forma cética. Cada um descobre a si mesmo ao questionar esse absolutismo em que estamos fossilizados. A negação da máxima “a vida é assim mesmo” surge como única, veja bem, única maneira para compreender a realidade. Montaigne chama isso de epoché céptica. Uma espécie de suspensão do juízo, um afastamento moderado para enxergar melhor a situação, já que não é possível se desvincular totalmente da realidade.

Etiénne de La Boétie, amigo de Montaigne, escreveu em O Discurso da Servidão Voluntária (1552) que há três tipos do tirano: Os que obtém o poder pela força, os que herdam por sucessão de raça e os que chegam ao poder por eleição do povo.

Em nosso caso, o eleito pelo povo é aquele que não abre mão do poder e nas palavras de La Boetié : Quase sempre considera o poderio que lhe foi conferido pelo povo como se devesse ser transmitido a seus filhos (uma frase que rende muitas interpretações, dependendo da idéia que se tem de “filho”). É essa pulsão que os faz mais cruéis que os demais tiranos. Palavras de La Boetié.

A forma como operam para consolidar a servidão é sempre a mesma: qualquer noção de liberdade é afastada do povo, visto como presa a ser dominada; um animal a ser domesticado. E isso é feito por meio da ilusão ou pela sedução. Infalível: o povo serve tão docilmente e “bom grado” que além de entorpecido pela falta de liberdade, pode até afirmar que nunca a conheceu ou sequer tem vontade disso. É uma condição natural da vida, e daí? “A vida é assim mesmo”.

As razões da servidão? Hábito (o costume de servir, que nos leva a desejar isso); a segunda, a Covardia, e a terceira, e muito interessante: a Participação na Tirania.

Sob a guarda do tirano, “são sempre cinco ou seis homens que o apóiam e que para ele sujeitam o país inteiro”. Esses seis têm seiscentos debaixo dele que domam e corrompem. Esses seiscentos mantém sob sua dependência seis mil, que dignificam, aos quais fazem dar o governo das províncias ou o manejo do dinheiro público, para que favoreçam a avareza e a crueldade, e quem seguir seu rastro não verá seis mil, mas cem mil, milhões que por essa via se agarram ao tirano, formando um corrente ininterrupta que sobe até ele”. A corrente chega a tal ponto que a tirania é tão proveitosa a tantos, que a liberdade não se mostra útil para ninguém.

Para finalizar a parte mais corrosiva do discurso: o tirano não tem amigos, não ama e nem é amado. O que torna um amigo seguro do outro é o conhecimento de sua integridade. Entre os maus, quando se juntam, há uma conspiração, não uma sociedade. Eles nãose entre-apóiam, mas se entre-temem. São cúmplices.

Eis a ilusão da liberdade para a maioria de nós, o povo. Para a minoria de nós, o povo, fica a esperança de sair do aquário, ver a água suja, quebrar o vidro. Mas é preciso derrubar primeiramente, o hábito, a covardia e participação na tirania que reside dentro de cada um de nós.

Nada do que foi escrito aqui é novidade, sabemos, mas pensar é sempre útil para transformar a realidade. O pensamento nos empurra para a ação. A vida nem sempre deve ser assim mesmo…

Eduardo de Andrade é um estudante que, com muito esforço, está aprendendo a enxergar a realidade além do aquário.

domingo, 4 de janeiro de 2009

Um governo levado à pagode.

Dia 01 de Janeiro foi um dia no mínimo interessante.Tratava-se de uma data cívica ,pois neste dia assumiriam em todo o país novos prefeitos,vice-prefeitos e vereadores.As manifestações populares de apoio ao novo prefeito reduziram-se aos seus correligionários,familiares e alguns "simpatizantes", a grande maioria da cidade parecia preferir a resignação.
A cerimônia de posse realizada no auditório Silvério Nery foi tranquila,mas teve como principal característica a bajulação ao ex-prefeito Adail Pinheiro, nove dos dez vereadores o trataram como o "eterno prefeito" e fizeram juras de amor,afirmando que daqui a quatro anos estariam como ele novamente o apoiando incondicionalmente.
E´ver pra crer!!!!
A presidência da câmara ficou com o vereador José henrique,favorito do prefeito e tendo como misssão aprovar sua prestação de contas a qualquer preço.Foram nove votos a favor e uma única abstenção.Tudo dentro do programado pelo grupo que dominará a cidade por mais quatro anos.
no entanto, o que mais marcou nesta cerimônia de posse foi o papel de coadjuvante de Rodrigo Alves,que continuou seguindo a cartilha do ex-prefeito,que nas falas da cerimônia,o antecedeu e o sucedeu.
Adail vociferou contra a oposição como de costume,atribuindo à esta as falhas de seu mandato,falou que quem o julgou foi o povo, que tudo que ele fez "está aí pra todo mundo ver!!!"
De fato ele não mentiu.2008 foi um ano de escândalo, onde a cidade de Coari ganhou as primeiras páginas policiais de inúmeros jornais pelo Brasil à fora.
Gabou-se dos prédios e do trabalho realizado na zona rural, só não explicou o porquê no video apresentado sobre a campanha de Rodrigo este só andou sobre a míseria,ruas esburacadas,casas sem luz e sem esgoto etc!!?? também não explicou porque Coari tem um custo de vida altíssimo,já que o interior pouco produz ( cadê as vicinais,os transportes, a luz para todos e o apoio técnico e financeiro ao homem do campo? ).
Há esqueci!!Ele não vai a feira e nem ao mercado!!!!
Culpou Manaus pelo atraso do salário,mas esqueceu de dizer que os salários dos trabalhadores em educação tem uma verba específica,o FUNDEB,e que estes mesmo assim não receberam!!!! Esqueceu também de dizer por quê PIS-PASEP e terço de férias não foram pagos,já que estavam progamados até a metade do ano e nesta época não havia perdas.
Tavez não sejamos uma cidade tão rica assim.Pelo menos não temos uma imaginação tão rica quanto a de Adail Pinheiro para criar desculpas e culpados pra sua má administração.
Rodrigo aponta para a continuidade.Mas que continuidade? da repressão? da falta de oportunidade? do clientelismo? da corrupção? da prostituição e pedofilia?
Coari precisa urgentemente repensar o conceito de progresso antes que seja tarde demais .Queremos repetir os erros da história? Onde Manaus quando vê o legado da borracha só vê os prédios históricos? A tônica do último governo se deu no ultimo surto de megalomaniáco de adail, ao roubar até o direito de Rodrigo de encerrar a própria cerimônia de posse,Adail pergunta ao público: Vocês querem saber o que vou fazer da minha vida de agora em diante?O que sempre fiz quando estive na prefeitura!!! soltou um pagode do Zeca Pagodinho que dizia,"deixa a vida me levar".Que homem preparado para governar.Lindo.Seria até cômico se não fosse trágico.
Queremos realmente isso?
Com a palavra ,nós os coarienses.

Outros janeiros na História.

1502 - Navegadores portugueses chegam à costa do continente sul-americano e apelidam a atual cidade de Rio de Janeiro.
1504 - O Exército espanhol faz uma entrada triunfal em Gaeta, terminando a guerra por Nápoles entre França e Espanha.
1764 - Na França, Wolfgang Amadeus Mozart, aos oito anos de idade, toca piano para a Família Real em Versalhes.
1776 - O líder da Revolução Norte-Americana, George Washington, apresenta a primeira bandeira nacional dos Estados Unidos.
1788 - O primeiro número do jornal The Times é publicado em Londres.
1801 - O Ato de União, firmado pela Grã-Bretanha e Irlanda, cria o Reino Unido.
1806 - A França estabelece o calendário gregoriano.
1833 - O Reino Unido declara a sua soberania sobre as Ilhas das Malvinas.
1850 - Se estabelece na Espanha un novo sistema de correspondência, em que se usa selo adesivo.
1860 - Guerra da África: As tropas espanholas vencem, ao mando do general Prim, na Batalha dos Castilhejos.
1871 - É implantado oficialmente na Espanha o sistema métrico decimal.
1874 - É inaugurado o telégrafo submarino entre Rio de Janeiro, Bahia, Pernambuco e Pará.
1877 - A Rainha inglesa Vitória é proclama Imperatriz da Índia.
1912 - O Governo revolucionário chinês proclama a República e designa como presidente provisório o líder nacionalista Sun Yat-Sen.
1918 - O ator britânico Charles Chaplin inaugura seus próprios estúdios cinematográficos em Hollywood. 1919 - Fundação do Partido Comunista Alemão, por Rosa Luxemburgo, Karl Liebnecht e Guilhermo Pieck.
1928 - Nasce Carlos Barral, poeta e editor espanhol.
1942 - Assinada a Declaração das Nações Unidas, expressando oposição às Forças do Eixo, por 26 países.
1943 - A Batalha de Guadalcanal chega ao fim com a vitória dos Estados Unidos sobre os japoneses.
1945 - A França é admitida às Nações Unidas.
1956 - O Sudão torna-se uma república independente.
1959 - Fidel Castro toma poder em Cuba após o ditador Fulgencio Batista fugir do país, buscando asilo na Republicana Dominicana.
1960 - Camarões obtém a sua independência de França.
1970 - A maioridade no Reino Unido passa a ser de 18 anos.
1971 - A TV americana acaba com todas as propagandas de cigarro, que representavam US$ 20 milhões de transações comerciais.
1975 - Começa o Ano Internacional da Mulher, anunciado pela Assembléia Geral da ONU.
1979 - Os Estados Unidos e a China comunista estabelecem relações diplomáticas.
1981 - A Grécia ingressa na CE, convertendo-se no décimo membro da organização.
1989 - Entra em vigor o Protocolo de Montreal para proteger a camada de Ozônio.
1990 - David Dinkins assume o poder, se tornando o primeiro prefeito negro de Nova York.
1993 - Entra em vigor o Mercado Único Europeu.
1993 - A Checoslováquia se divide em dois novos Estados: a República Checa e a Eslováquia. 1994 - O empresário bilionário Bill Gates, fundador da empresa Microsoft, casa-se com Marilyn French na ilha do Havaí.
1994 - Entra em funcionamento o Espaço Econômico Europeu e o Tratado de Livre Comércio entre o Canadá, Estados Unidos e México.
1995 - Fernando Henrique Cardoso assume a Presidência da República depois de vencer as eleições no primeiro turno com 54% dos votos.
1995 - Morre Eugene P. Wigner, cientista norte-americano de origem húngara, Prêmio Nobel de Física em 1963.
1999 - O presidente Fernando Henrique Cardoso assume seu segundo mandato para a Presidência da República.
2002 - Entra em vigor o Euro, a moeda única para doze países da União Européia.