quarta-feira, 27 de maio de 2009

Prefeito prestes a perder o mandato



Pleno do Tribunal Regional Eleitoral retorna amanhã o julgamento do caso envolvendo o prefeito de Tefé




Tereza Teófilo
da equipe de A CRÍTICA



O prefeito do Município de Tefé (distante 525 quilômetros de Manaus), Sidônio Gonçalves (PHS), poderá perder o diploma de prefeito, caso o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AM) retome amanhã o julgamento do recurso proposto pelo 2º colocado nas eleições de 2008, Jucimar de Oliveira Veloso, que denuncia Sidônio à Justiça Eleitoral pelo fato dele estar exercendo o 4º mandato consecutivo de prefeito. Sidônio já foi prefeito por duas vezes seguidas em Alvarães (cidade a 538 quilômetros da Capital) e no último pleito foi reeleito em Tefé.


O julgamento foi suspenso ontem porque o juiz Francisco Maciel solicitou pedido de vistas, porém, os demais membros da Corte, a exceção do magistrado Euci Simões, adiantaram seus votos. Simões disse que vai aguardar o retorno do pedido de vistas do colega Maciel para declarar seu voto.


Por quatro votos a um, Sidônio já está com seu diploma cassado. Votaram contra a permanência de Sidônio na Prefeitura de Tefé a desembargadora Socorro Guedes, a juíza Joana Meireles, a juíza federal Maria Lúcia Gomes de Souza e o presidente do TRE, desembargador Ari Moutinho da Costa, que proferiu seu voto pelo fato da questão tratar de matéria constitucional.


Sob risco

Caso a decisão do TRE de cassar o diploma de Sidônio Gonçalves se confirme, o atual prefeito de Urucará (cidade distante 259 quilômetros de Manaus), Fernando Falabella (PMDB), corre o sério risco de também ficar sem o diploma, pois está no terceiro mandato consecutivo de chefe do poder Executivo, dois deles exercidos em São Sebastião do Uatumã (município a 245 quilômetros de Manaus) e o último em Urucará.